quinta-feira, março 5

Resenha: Precisamos Falar Sobre Kevin

Título: Precisamos Falar Sobre Kevin
Autor: Lionel Shriver
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 464
Gênero: Psicologia
Nota: 5/5

Sinopse: Em Precisamos falar sobre o Kevin, Lionel Shriver realiza uma espécie de genealogia do assassínio ao criar na ficção uma chacina similar a tantas provocadas por jovens em escolas americanas. Aos 15 anos, o personagem Kevin mata 11 pessoas, entre colegas no colégio e familiares. Enquanto ele cumpre pena, a mãe Eva amarga a monstruosidade do filho. Entre culpa e solidão, ela apenas sobrevive. A vida normal se esvai no escândalo, no pagamento dos advogados, nos olhares sociais tortos.
 Transposto o primeiro estágio da perplexidade, um ano e oito meses depois, ela dá início a uma correspondência com o marido, único interlocutor capaz de entender a tragédia, apesar de ausente. Cada carta é uma ode e uma desconstrução do amor. Não sobra uma só emoção inaudita no relato da mulher de ascendência armênia, até então uma bem-sucedida autora de guias de viagem.


 Devo admitir que no início do livro, eu o estava achando um saco, que a Eva era só  mais uma americana que passa o tempo inteiro criticando os outros (americanos) mas que não aponta o dedo pra si mesma em ocasião nenhuma (digamos que isso não mudou muito). Mas lá pra página 80, depois do nascimento do Kevin, a coisa começou a ficar interessante.

 No livro, Eva narra em cartas a seu marido todos os acontecimentos envolvidos com Kevin, ou seja, desde antes de seu nascimento até depois da trágica quinta-feira. Antes de tudo, Eva não queria de maneira alguma ter um filho, achava que sua vida estava suficiente boa sem crianças por perto, mas seu marido, Franklin, queria desesperadamente um filho para mimar. Depois de muita negação, Eva resolve engravidar, mas a partir do momento em que ela passa mais de 20 horas no parto de Kevin e vê aquele olhar ao nascer, ela acha que não foi lá uma boa ideia.
 Eva detalha toda a infância de Kevin e tenta justificar ao máximo o motivo dela não amar seu filho: já quele não a ama por quê ela deveria amá-lo? Kevin é uma criança totalmente inexpressiva, não gosta de nada e não se importa com nada. Porém com Frankin é o contrário, ele ama tanto o filho que se distancia da esposa e não liga nenhum pouco para as travessuras de Kevin, dizendo que isso é coisa de menino. A adolescência do menino não é tão diferente: continua inexpressivo e vive atormentando a mãe.
 Mas em alguns momentos, é possível enxergar uma certa melancolia nele. Eva, por alguns momentos consegue arrancar sorrisos dele, porque ao invés do meloso e incrivelmente chato pai, a mãe o contraria e o desafia em tudo. Eu devo admitir também que eu criei uma certa afeição por ele em alguns momentos, eu senti o que ele sentia, sabe? (ps1: eu confesso que eu tenho uma certa afeição por pessoas "loucas", não sei explicar, até já pensei em ser psiquiatra/psicologa por isso) (ps2: não sou psicopata, gente!) e o final foi um tapa na cara tão grande! Eu mal consegui respirar a partir do momento em que ela começou a narrar a carnificina até o momento em que o livro acabou. Cada fala de Kevin me dava um soco na cara, esse livro é uma coisa de louco! Não consigo expressar meu amor por ele! Se você ainda não leu, vá ler já! Garanto que você não irá se arrepender.

E aí, o que acharam da resenha? Até mais! :p

12 comentários:

  1. Queria tanto esse livro no ano passado! Mal lembrava dele, rs

    Hoje não dou tanta atenção para o livro pois desejo outros com mais intensidade, no entanto a sua resenha me despertou uma vontade de ir comprá-lo imediatamente!! E a curiosidade sobre o final??!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não queria taanto ele, comprei mais por causa do preço mesmo e no final acabei me apaixonando. Que bom que deixei esse gostinho, hahahaha. Nem eu esperava por aquele final, me surpreendi, de verdade!!

      Excluir
  2. Olá! Eu já ouvi falar sobre esse livro a muuuuuito tempo, mas ele nunca me chamou a atenção. Confesso que sua resenha me deixou curiosa e que eu talvez tenha ficado interessada nele rs

    Beijinhos,

    Bia - Blog Escrevendo Mundos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Fico tão feliz que te fiz ficar interessada nele! Espero que você leia. <3
      Beijos! ♥

      Excluir
  3. Tô louca pra ler o livro e ver o filme, mas como não gosto de ver nada sozinha, fico enrolando! haha. Mas meu namorado já me disse que é excelente também, e com a sua resenha fiquei super curiosa. Adorei!

    Lovecats | allieprovier.blogpsot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia e assista mesmo! Sei que vai amar!
      Beijos! ♥

      Excluir
  4. Oi Juh, vi o seu blog no Blogs Up e achei a proposta tão interessante que resolvi vim dar uma olhada. Dai me deparo com você falando de uma das histórias que mais mexeram comigo nos últimos anos! "Precisamos falar sobre Kevin" é uma daquelas narrativas que deixam sem ar, que te fazem entender que o mundo é cruelmente humano e por isso é cheio de falhas, que fazem você repensar sua vida e as pessoas que estão ao redor...enfim...é tudo isso mesmo! Eu vi o filme e depois li o livro, mas um faz muito jus ao outro.

    beijo grande!
    http://mesadecafedamanha.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana! Que legal que te interessei! Ahh, finalmente achei alguém que me entende! Concordo com todas suas palavras, viu?
      Beijos! ♥

      Excluir
  5. Não conhecia o livro e não faz muito o tipo que geralmente gosto de ler, mas devo confessar que sua resenha despertou um forte interesse em descobrir o que acontece nesse final, haha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yess, foi essa minha intenção, hahaha. Espero que leia e goste muito!
      Beijos! ♥

      Excluir
  6. Sou louca pra comprar esse livro.

    Obrigada por visitar o meu blog.
    Bjus Girl
    apenasumdiariovirtual.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Deixe um elogio, uma crítica, um conselho, uma sugestão, um recadinho... Ficarei super feliz em te ouvir!
* Leia o post, não apenas jogue seu link aqui;
* Deixe o link do seu blog no final do post, se você tiver e quiser, para que eu possa visitá-lo.